Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Mundo Livre

Mundo Livre


Por

Publicado em 28 de Setembro de 2007

mundolivre1.jpg

Angie (anjo?) explora os trabalhadores imigrantes em Mundo Livre.

Mundo Livre (It’s a Free World…), de Ken Loach, 2007, Reino Unido / Alemanha / Espanha / Itália / Polônia. Mostra Panorama.

Há os que enxergam Ken Loach como humanista, cineasta política que reflete sobre as conseqüências nefastas da globalização financeira ou paladino das classes trabalhadoras, dos injustiçados e dos excluídos pelo capitalismo internacional. É preciso, no entanto, contestar as idéias pré-concebidas acerca do diretor britânico, uma vez que suas aparentes boas intenções somente anulam o papel do indivíduo na História, transformando-o de agente em expectador de uma superestrutura tão vaga quanto facilmente condenável por todos os males sociais e o arrolando na mesma lama contra a qual ele deveria se revoltar.

Cansada da exploração por chefes que a assediam sexualmente, Angie, mãe solteira ausente em conflito com a família, abre seu próprio negócio junto à amiga Rose – elas contratam trabalhadores imigrantes temporários, mão-de-obra extremamente barata para empresas que requerem serviços braçais. São os novos tempos da União Européia (opostos ao pai de Angie, funcionário da mesma firma pela vida inteira): dissolução das fronteiras nacionais, procura de novas oportunidades pelos imigrantes vindos de países pobres (sobretudo do Leste Europeu, como Polônia e Ucrânia), vínculos empregatícios cada vez mais frágeis com o fim do Estado de Bem Estar Social. Informalidade que, em Mundo Livre, mistura-se com a ilegalidade, já que não apenas Angie e Rose usam trabalhadores clandestinos e sem documentos, como também colocam sua empresa à margem da lei, pois não a registram, fogem da polícia e não pagam impostos.

De explorada à exploradora, de injustiçada a patrão, de ética à imoral. Ken Loach se centra na jornada pessoal de Angie, nas mudanças perversas que o “sistema” lhe provoca e na forma como ela o utiliza para satisfazer as próprias ambições. Mundo Livre, porém, ao denunciar a selvageria com que o mercado global massacra o indivíduo – pois lhe destrói os ideais, derruba os valores e as crenças em prol do dinheiro, aniquila o núcleo familiar, incita a violência e a covardia contra os desfavorecidos –, cai no paradoxo de igualmente não defender o livre-arbítrio, a vontade e os atos praticados pelos homens, e sim de condená-los, na medida em que o roteiro de Paul Laverty (vencedor do prêmio respectivo no Festival de Veneza 2007) exige, com sua lógica maquiavélica, a total submissão dos personagens, em especial de Angie, à falta de escrúpulos do capitalismo liberal.

mundolivre2.jpg

Mãe solteira e filho desajustado: melodrama impera no novo Ken Loach.

Angie, Angela: no nome da protagonista, Ken Loach e Paul Laverty já a predispõe, sem qualquer chance diferente, ao calvário. Assim, é necessário que Angie – do latim “angellus”, que significa “anjo” – chafurde na imundície que a cerca, pois Mundo Livre apenas se aproveita da estrutura clássica do melodrama em que a mulher, inicialmente representante da pureza, corrompo-se ao imergir na realidade sócio-econômica apodrecida e corrupta que prevalece. Diretor e roteirista manipulam personagens e espectadores, com artifícios caros aos piores dramalhões (o sentimento de culpa quanto aos refugiados iranianos; a ameaça de seqüestro ao filho desajustado como punição aos crimes que Angie cometeu; a lição de moral que Rose aplica na sócia após o hediondo telefonema; os desentendimentos entre a heroína e seus pais, refúgios de consciência e de bom senso dentro do filme), esquecendo-se que não se tratam de inimigos a quem se deve acusar, mas de companheiros, sujeitos às mesmas injustiças que Mundo Livre pretende combater.

Para Ken Loach, não há liberdade, esperança ou beleza – somente cinismo, medo e amargura sob a roupagem do melodrama social barato. E que cinema político é este em que não existem saídas para melhorar o mundo?

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2007



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Por Revista Moviola

21 de Fevereiro de 2019

Garota Sombria Caminha Pela Noite (2014) é um filme baseado em um curta de terror, com roteiro e direção de Ana Lily Amirpour e vencedor do prêmio da Revelação Cartier no Festival de Deauville em 2014. Uma produção realizada por imigrantes iranianos nos Estados Unidos que traz um estilo mesclado entre o horror, a fantasia, […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.