Revista Moviola – Revista de cinema e artes » A Via Láctea

A Via Láctea


Por

Publicado em 28 de Setembro de 2007

Cartaz do filmeA Via Láctea, de Lina Chamie, 2007, Brasil. Premiere Brasil

A Via Láctea é um olhar sobre São Paulo. A metrópole está presente no longa-metragem como um personagem, talvez até como um protagonista. A relação amorosa vivida por Marco Ricca e Alice Braga está lá retratada como em papéis de coadjuvantes.

Eles vivem, no filme, um relacionamento desgastado. Marco Ricca é um escritor estressado e cansado demais para querer sair e se divertir com a namorada. São estereótipos do mundo da arte. Há o escritor carrancudo e a atriz alegre demais, com energia demais. É a partir desse impasse, de uma briga por telefone, de um término de relação confuso, que o longa irá se apoiar.

O filme vai trabalhar a impossibilidade dos relacionamentos, a presença ostensiva de uma cidade em suas vidas, de como a metrópole nos esmaga e de como odiamos e almejamos por isso.

A Via Láctea é um filme de divagações. Enquanto Heitor, personagem de Marco Ricca, tenta chegar até a casa da sua namorada, o filme se estende. Há o trânsito que o impede. E como congestionamentos também são lugares para se pensar a vida, a do escritor invade os outdoors, o rádio. A impessoalidade no caos urbano cai de lado para afrontá-lo.

Embora dito assim pareça uma grande idéia, essa interferência é o que o filme tem de mais complicado nos quesitos direção/roteiro. É que simbologias são algo difíceis de serem trabalhadas. Às vezes, quando mal encaixadas, há um estranhamento tamanho ou, nesse caso, um “já vi disso”, que chega a constranger.

Outro forte ponto de estranhamento (e aqui o “já vi disso” nem cabe) está fincado nas mãos da montagem. A Via Láctea é um filme extremamente entrecortado. Entre flashbacks e devaneios, o tempo presente às vezes nem dá as caras. É necessário, assim, um olho atento para acompanhar o filme.

Até pelo protagonista ser um escritor, A Via Láctea é pontuado insistentemente por citações, trechos de poemas, capas de livros. É um recurso simpático, mas que talvez ajude a criar uma distância que o filme não quer ter com os seus expectadores. São citações a, por exemplo, Cidades Invisíveis, de Ítalo Cavino; Paulicéia Desvairada, de Mario de Andrade; Fragmentos de Um Discurso Amoroso, de Roland Barthes. Ou seja, é como se o roteiro buscasse em outros autores hiperlinks que possibilitem uma segunda ou terceira visão do que é ali mostrado.

É um filme bonito, que apesar de seus problemas (alguns bem evidentes), vale ser assistido. É um filme que tenta, de alguma forma, reinventar alguns dos passos que estão sendo dados pelo cinema nacional. E isso já é muito. A Via Láctea se baseia num relacionamento amoroso e não tem vergonha de ser singelo e doce quando toca no assunto.

YouTube Preview Image

Veja a cobertura completa do Festival do Rio 2007

 



2 Commentários sobre 'A Via Láctea'

  1.  
    serint

    24 Maio, 2008| 11:22 am


     

    Eu ainda não vi, mas se o filme fôr só metade da maravilha que foi “Tônica Dominante”, já deverá ser muito, muito bom!!! (raridade em cinema nacional, muito inteligente, muita sensibilidade, muita beleza – Tônica literalmente me tirou o fôlego, jóia rara – gema…

  2.  

    24 Maio, 2008| 11:26 am


     

    Eu não vi o Tônica Dominante. Sobre o Via Láctea, é isto que aí escrevi. É um filme importante. Injustiçado também.

Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

28 de Outubro de 2019

                            Em 2020, o Internacional Uranium Film Festival comemorará uma década. O evento é o único no país dedicado a expor e debater o invisível mundo atômico e seus riscos radioativos. Em quase uma década, o festival reuniu produções cinematográficas de vários […]

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.