Revista Moviola – Revista de cinema e artes » O Balanço

O Balanço


Por

Publicado em 27 de Setembro de 2007

Jean-Honoré Fragonard (1732-1806), discípulo de Chardin e de Boucher, marcou o ápice do rococó na pintura francesa. Notabilizou-se, primeiro, como grande paisagista, para em seguida enveredar pelo retrato familiar em interiores e pelo erotismo. Sua obra mais conhecida é O Balanço, possivelmente de 1767:

Em O Balanço, Fragonard antecipa técnicas e conceitos fundamentais aos impressionistas: um século à frente das inovações trazidas por Monet, Manet e Renoir, já podemos ver a tentativa de capturar o momento fugidio (“eternizar o efêmero”, como dizia Claude Monet) da moça que se diverte; a suprema alegria e jovialidade, aliada à ternura e à sensação de acolhimento, que brotam com toda força do quadro; as pinceladas vivas e libertas do rigor acadêmico; os jogos de luz e de cores apenas possíveis ao ar livre, em contato com a natureza. Jean-Honoré Fragonard, dessa maneira, influenciou decisivamente Pierre-Auguste Renoir (1841 – 1919), que realizou sua própria versão de O Balanço, em 1876:

Tema idêntico, a mesma preocupação com os sentimentos e os afetos contidos na cena banal, mas que flagra o instante do encontro, da conversa entre o homem e a mulher, suave e sutilmente felizes em meio ao ambiente que os cerca. Corações em contato, quando o calor das emoções mais profundas e inconfessáveis se instala brevemente nas superfícies dos corpos: pele, folhas, vento, roupas, cabelos, luz. Estados atmosféricos que, em suas flutuações microscópicas, captam os ritmos emotivos que perpassam o acontecimento – como o balançar festivo da jovem parisiense que descobre o campo em Divertimento Campestre, de Jean Renoir. A perda da inocência, o último suspiro da alma livre (pois se casará com o protótipo do burguês omisso), a experiência do amor verdadeiro e do sexo, a tragédia de se viver infeliz após conhecer, por um segundo que seja, a felicidade:
YouTube Preview Image

Divertimento Campestre, de Jean Renoir.

Foi Eisenstein quem invocou, tanto em A Forma do Filme quanto em O Sentido do Filme, a relação de parentesco entre o cinema e a pintura. O diretor e teórico soviético pretendia, claro, legitimar a arte insipiente, nascida no final do século XIX, ao apontá-la como sucessora, usufruindo portanto da mesma linha temporal, da tradição pictórica do Ocidente. Muito além das estruturas narrativas e dramáticas, o cinema se assenta sobre séculos de estudos e pesquisas a respeito de direcionamento da luz, composição do quadro, mistura e expressividade das cores e das linhas, perspectiva geométrica, achatamento do plano, formas abstratas ou figurativas, realizadas por Rembrandt, Vermeer, Velázquez, Goya, Picasso, Cézanne, Matisse, Kandinsky, Klee. “Os jogadores de cartas”, tema caro à escola veneziana seiscentista, por exemplo, foi transformado por Caravaggio, chegou aos impressionistas – antes pela literatura (Dostoiévski, Schnitzler, Stevenson) –, para desembocar no curta-metragem dos irmãos Lumiére. Ou “O balanço”, Jean-Honoré Fragonard a Renoir, pai – e, posteriormente, a Renoir, filho.

Pode-se contestar a ligação entre Fragonard, Auguste Renoir e Jean Renoir como deveras específica, caso particular que não representa o todo, uma vez que se tem a família na passagem de uma geração a outra. Jacques Aumont, porém, considera Louis e Auguste Lumiére os últimos pintores impressionistas: o olho mecânico do cinematógrafo percebe mesmo as ínfimas variações atmosféricas, registra objetivamente a passagem do tempo e, se o eterniza, também acaba por atualizá-lo a cada nova projeção. O paradoxo entre o perene e o movente enfim resolvido, como demonstra What Happened on 23rd Street, filmado por Edwin S. Porter em 1901 para a Edison Company:

YouTube Preview Image
What Happened on 23rd Street, de Edwin S. Porter.

Câmera estática, profundidade de campo no infinito, pedestres e veículos que, naquele instante, no cruzamento da Rua 23 com a 6ª Avenida em Nova York, circulam em frente à objetiva. Imperceptivelmente aos nossos olhos, dois passantes – na verdade, Florence Georgie e o fotógrafo Alfred Abadie, que representaram na seqüência – saem do fundo para o primeiro plano, em direção ao duto de ar que levanta a saia da mulher (mais de meio século antes de Marilyn Monroe em O Pecado Mora ao Lado!). Mesclando ficção e documentário, encenação e registro desde o princípio, a câmera-olho do cinematógrafo personifica o flaneur, personagem criado na literatura em meados do século XIX, que observa de relance imagens rápidas e fugidias, aceleradas pelas revoluções tecnológicas e industriais – energia a vapor, ferrovia, telégrafo, eletricidade. O rosto desconhecido que se perde no fluxo urbano em O Homem da Multidão, de Edgar Allan Poe, ou a mulher pela qual o poeta se apaixona, embora saiba que não a verá outra vez, no poema A Uma Passante, de Charles Baudelaire (tradução de Guilherme de Almeida):

A Uma Passante

A rua, em torno, era ensurdecedora vaia.
Toda de luto, alta e sutil, dor majestosa,
Uma mulher passou, com sua mão vaidosa
Erguendo e balançando a barra alva da saia;

Pernas de estátua, era fidalga, ágil e fina.
Eu bebia, como um basbaque extravagante,
No tempestuoso céu do seu olhar distante,
A doçura que encanta e o prazer que assassina.

Brilho… e a noite depois! – Fugitiva beldade
De um olhar que me fez nascer segunda vez,
Não mais te hei de rever senão na eternidade?

Longe daqui! tarde demais! “nunca” talvez!
Pois não sabes de mim, não sei que fim levaste,
Tu que eu teria amado, ó tu que o adivinhaste!

O cinema, ironicamente, ao recortar intervalos breves de tempo e de espaço, permite que o passado continue vivo, apesar de morto. Memória gravada pela eternidade.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Abril de 2018

  A mostra Corpos da Terra, cujas produções selecionadas refletem sobre a resistência indígena no Brasil atual, tem sua segunda edição entre os dias 20 e 23 de abril. O evento é realizado em parceria com o CineMosca e, além da exibição de filmes, terá mesas de discussão sobre a diversidade de mundos indígenas em […]

Por Revista Moviola

17 de Abril de 2018

  A dica de um precioso acervo para entender a situação indígena no Brasil atual é da jornalista Raquel Baster, mineira que vive atualmente no estado da Paraíba e colaborada com algumas atividades do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTN-NE), entre elas, a oficina de roteiro para o documentário Mulheres rurais em movimento (2016), filme […]

Por Revista Moviola

14 de Abril de 2018

O documentário O desmonte do Monte, dirigido por Sinal Sganzerla, aborda a história do Morro do Castelo, seu desmonte e arrastamento. O Morro do Castelo, conhecido como “Colina Sagrada”, foi escolhido pelos colonizadores portugueses para ser o local das primeiras moradias e fundação da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de sua importância histórica e […]

Por Revista Moviola

12 de Abril de 2018

  O documentário Auto de Resistência, dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho,  aborda os homicídios praticados pela polícia contra civis no estado do Rio de Janeiro. As mortes e as violações dos direitos humanos acontecem em casos conhecidos como “autos de resistência” – classificação usada para evitar que os policiais sejam responsabilizados pelos homicídios, […]

Por Revista Moviola

11 de Abril de 2018

O filme Livre Pensar – cinebiografia Maria da Conceição Tavares homenageia uma das economistas mais importantes do Brasil e, particularmente, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A sessão de exibição do documentário ocorrerá dia 24 de abril, às 18h, no Salão Pedro Calmon da UFRJ (Av. Pasteur, 250, 2º andar / Urca). A […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio filme França Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Música Odeon Oscar Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.