Revista Moviola – Revista de cinema e artes » A Curva e Galápagos

A Curva e Galápagos


Por

Publicado em 27 de Setembro de 2007

Muitas linhas já foram escritas nesses últimos tempos sobre como a tecnologia tem impulsionado a expressão audiovisual. Como diz Eduardo Coutinho, em entrevista nesta primeira edição da Revista Moviola, todos querem ser autor. Todos querem ser produtores de imagens, de histórias. E é por isso que lançamos esse número com dois curtas-metragens que passam longe dessa pretensão de autoria. São vídeos, na verdade, que negam em grande parte a existência do autor, trabalhos que buscaram em imagens de outros a sua pretensão de existir além de mero registro.

Trata-se dos curtas A Curva, de Salomão Santana, e Galápagos, de Fernando Secco. Aqui é necessário um adendo: durante as discussões para a preparação desta primeira edição, Galápagos foi lembrado como um vídeo com potencial a ser analisado por esta seção, embora existissem dúvidas sobre se seria apropriado escrever acerca do trabalho de um dos editores da Revista. Galápagos, no entanto, é importante para a discussão proposta, pois serve, inclusive, de contra-modelo frente o A Curva.

Os dois curtas-metragens existem a partir de imagens de terceiros. A Curva, do registro de uma festa de casamento e Galápagos, a partir da câmera de segurança de um prédio residencial. O que os dois vídeos têm de mais em comum é a capacidade de se apropriar e de transformar o valor de imagens que são produzidas quase que banalmente e a cada dia mais e mais.

A Curva

YouTube Preview Image

Salomão Santana não produziu essas imagens. Não são dele esses enquadramentos mal recortados. A Curva é uma remontagem feita a partir de imagens de algum material de arquivo. Miguel Pereira, que assina a edição – juntamente com Salomão – é quem detinha o material (filmagens de família?).

A sinopse diz que é domingo em Juazeiro do Norte (CE). E só. Propositadamente, A Curva não se explica muito. É que está na intenção do realizador colocar em questão o valor de suas imagens. Mais propriamente, é intenção (re)estruturar o valor delas, (re)produzi-las, (re)significá-las.

Com duas ou três informações a mais, o vídeo fatidicamente cairia na categoria do documentário. E embora de alguma forma o seja, ele parece não se adequar exatamente no sistema da não-ficção. As imagens são de alguma festa do final dos anos 80, mas Salomão não se preocupou em melhor localizá-las. Criou-se assim um pedaço de compreensão, um recorte sobre o entendimento do que pode ser.

Em A Curva, os planos escolhidos quase sempre são o momento do desconforto frente da câmera. Pessoas que cumprem o ritual comum às festas de família e comedidamente se “escondem” da filmadora, essa máquina que eterniza o que há de belo e ridículo. É sobre esse medo que Salomão está falando?

A primeira vez que o assisti fiquei com essa impressão. Fiquei vendo essas pessoas desconfortáveis, algumas tristes. Cheguei a achá-lo desrespeitoso por causa disso. Mas hoje, o que me parece mais essencial é essa pretensão de ser documental e vídeo arte ao mesmo tempo. A Curva na sua total ausência de informação, acaba revelando elementos imprescindíveis da nossa cultura brasileira.

Galápagos

YouTube Preview Image

Galápagos, por outro lado, tem uma relação diferente com essa apropriação do registro documental. Porque em Galápagos trata-se exatamente de um roubo.

O curta de Fernando Secco se coaduna com algo que o documentário nacional contemporâneo vem se questionando há alguns anos: a relação entre ficção e não-ficção. Galápagos, entretanto, pretende colocar o sistema em cheque quando introduz no seu registro um ator.

Explicando: o vídeo é uma captura da imagem de segurança da portaria de um prédio residencial. É um plano-seqüência. Na banda sonora, uma narração em OFF, um personagem que se ressente da vida, do tédio. Quem é esse personagem? Pergunta aparentemente sem solução, pois são muitas as respostas possíveis.

Nada mais banal se não fosse a presença de um ator. Anderson Alves, figura já tarimbada entre curtas universitários, faz a narração e uma intromissão física no registro do cotidiano daquela portaria (ele atua?). Ele pede uma informação ao porteiro e some. O diretor jura que Anderson nem sabia que sua imagem estava sendo gravada. O ator é convidado a atuar, a ter seus passos registrados sem sequer sabê-lo.

É interessante a relação que o ator faz no vídeo porque desestabiliza a compreensão, muito embora o OFF deixe claro que o curta se pretende mais ficção do que qualquer outra coisa. Mas é uma ficção composta sobre um arcabouço quase que puramente documental.

Essa relação entre o encenado e o não-encenado vem sendo debatida há muitos anos entre documentaristas. E são muitos os exemplos das quantas formas diferentes essa questão pode ser apresentada. Para ficar só em alguns exemplos recentes, há Santiago, de João Moreira Salles; Juízo, de Maria Augusta Ramos; Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho.

O mais estranho é que Galápagos, embora suscite toda essa questão, não é absolutamente um documentário. Nunca foi.



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.