Revista Moviola – Revista de cinema e artes » Cinema Vertical

Cinema Vertical


Por

Publicado em 27 de Setembro de 2007

Não sei direito quando isso começou. Não sei se foi em 2005 ou 2006 que juntamos uns amigos e dissemos uns pros outros que “éramos o Tv Primavera”. Até hoje existe uma excitação grande em dizer isso, mesmo sabendo que temos pouquíssimos trabalhos lançados e exibidos, mas é como se tudo fosse uma grande piada. Nomes como Tv Primavera me fazem lembrar muitos grupos de super heróis como Thundercats ou até X-Men, não sei porque. Soa como uma anti-pretensão, um nome débil, mas que ao mesmo tempo carrega um forte sentimento de grupo.

Até Cinema Vertical acho que a gente não sabia dividir o que era o coletivo e o que era o grupo de amigos a qual fazíamos parte. Foi muito importante nos ver agindo naquele dia pra entender que éramos realmente um coletivo e que tínhamos idéias que nos agradavam e que nos divertíamos muito com isso. O que era um coletivo paralelo, de amigos que se juntavam pra almoçar juntos, fazer vídeos, ir pra praia, e ouvir musica, foi carregando um sentimento forte de identidade e tudo mudou no SPA das Artes de 2006.

YouTube Preview Image

Pra quem não conhece o SPA, é importante deixar claro que é um momento imperdível de se estar perto, ver a cidade ser palco de momentos imprevisíveis, reações imprevisíveis, e principalmente, ver a cidade com outros olhos. Estudo arquitetura e, querendo ou não, o SPA se torna um momento mais especial pra mim por isso, minha relação com a cidade muda pra caramba e, putz, que ótimo que isso acontece. Um festival de artistas que forçam uma variedade de intervenções urbanas numa cidade como Recife, só faz aumentar o clima especial de Setembro por aqui.

Acho que foi Jonathas de Andrade, ilustre amigo e artista, presente na primeira formação do primavera, que sugeriu a idéia de uma intervenção na cidade, no formato vertical. Seria formado por 1 tela, e ela seria deitada, gerando um aspecto vertical. Quando o período de inscrição para o SPA chegou, após analizarmos uma tentativa frustrada de conceber uma intervenção Drive-In para o Pátio de São Pedro, resolvemos escrever um projeto para desenvolver as idéias que Jonathas havia sugerido. Achar uma localização para o ato e inserir mais 3 devices de projeção, dispostos verticalmente, foram passos que tomamos imediatamente para conceber como seria o material exibido.

Nesse ponto, o mais comum era pensar em como iria ficar lindo as 4 janelas de projeção agindo juntas e criando uma paisagem diferente na Conde da Boa Vista, realmente empolgante para jovens videomakers que buscavam fazer um trabalho de forma atípica, pelo menos diferente do que vínhamos fazendo.

O que se viu no dia foi, felizmente, algo muito mais forte.

Nenhum de nós tinha idéia do tamanho do público que estávamos atingindo, muito menos da forma como estávamos atingindo. Era de nossa intenção sim, buscar a atenção do transeunte, proporcionar a atenção da videoarte pra fora do espaço de museu, criar espaços independentes de exibição (mini Times Squares). O que se viu em 11 de setembro de 2006 em Recife foi na verdade um momento caótico catalisado pelo Tv Primavera, responsável apenas pelo papel de produzir e exibir tais vídeos em tal lugar.

Pouco a pouco foi ficando muito claro de que estávamos tão maravilhados e espantados como qualquer transeunte, caiu a ficha de que tínhamos feito tudo aquilo pra nós mesmos, de certa forma. “Aquilo” podendo se referir tanto ao Cinema Vertical quanto ao próprio Tv Primavera, toda essa idéia de criar um grupo cross entre arte e vídeo da forma como foi criado. Falhas técnicas geraram distorção na posição das janelas e atraso para inicio da exibição, diminuindo o nosso publico alvo, o cidadão desavisado que pega ônibus às 6 horas da noite de volta pra casa.

Nada disso parecia ter importância para quem estava por lá, se espremendo entre as 60 pessoas que estavam em cima da marquise woodstock no 1º andar, que se formou como um tipo de camarote indie. Até hoje agradeço pelo fato da laje da marquise não ter caído. Cláudio Assis não teria visto o lançamento de seu Baixio das Bestas e eu seria acusado de genocídio, ou pior, de rotularem o Tv Primavera como Genocide Art.

Quando os ícones de Análise Combinatória inauguraram a exibição, todos desceram para ver os vídeos lá de baixo, onde a vista era mais completa. Realmente foi um momento único, ver tanta gente correndo pela Conde da Boa Vista, para ver os vídeos da ponte que liga a Av. Guararapes. Esse foi o momento que eu passei a ver o Cinema Vertical como uma grande catarse social, em que a nossa exibição era apenas o motim para aquelas pessoas estarem ali. A coisa toda só aconteceu pela presença delas e, da temida, porém real, chuva torrencial que nos esperava.

YouTube Preview Image

Depois de muita ameaça de pingos, eis que realmente começa a chover, de forma crescente e incessante. A maior ironia é que a água se iniciou durante a exibição de Combustão, vídeo inteiramente feito com experimentos com fogo. Obvio de se dizer, mas foi lindo o contraponto de imagens.

Depois a coisa foi perdendo a graça. Principalmente pra mim, que tinha passado tempo demais arquitetando planos b do que iria acontecer se chuvesse, me ver dentro daquela situação foi meio claustrofóbica. Piorou definitivamente quando o projetor superior queima durante a exibição, deixando apenas 3 telas restantes para o resto da intervenção. Assistimos a Corpo, sem a cabeça do ator principal e isso tudo dando muita angústia. Nesse ponto, eu já tinha encarado tudo como um grande circo e vi que meu papel ali era observar, não havia mais o que ser feito.

Lembro de estar num prédio vizinho na Conde da Boa Vista, observando a chuva e as projeções, as pessoas correndo e pensar em me jogar da janela. O que seria dito sobre aquilo? Intervenção Urbana? Urban Art? Seria algo bem à Aslan Cabral, Goodbye World… A coisa estava tão surreal pra mim, que não seria um qualquer suicídio. É importante deixar claro que essa era uma idéia basicamente sarcástica.

Não me joguei.

Quando o último vídeo termina, eu desço e me dirijo à central onde estão todos. Nos abraçamos e lamentamos a chuva. Percebo que eu sou o mais desanimado de todos e, depois de conversar com Luciana Freire, eterna primavera, concordo que a chuva, de fato, coroou um momento único, uma experiência muito mais potente do que se fosse uma exibição como estávamos imaginando como Tv Primavera. Lembrei nessa hora de um dos primeiros projetos do Tv Primavera, Jogos De Inverno, que não havia dado certo pelo excesso de chuva na praia.

Ainda ouço ecos fortes do Cinema Vertical quando se fala do Tv Primavera. Uma coisa nunca vai ser nada sem a outra e, definitivamente, nunca mais da mesma maneira.

YouTube Preview Image



Deixe um comentário

(obrigatório)

(obrigatório)


Dê a sua opinião. Mas lembre-se: os comentários serão moderados. Apenas após análise dos editores eles serão postados.



RSS feed para comentários deste artigo | TrackBack URL

 

Por Revista Moviola

19 de Outubro de 2019

              O longa-metragem Fendas apresenta uma protagonista mulher e paisagens, sons e imagens que envolvem seu trabalho num centro de pesquisas no Rio Grande do Norte. Seus objetos de pesquisa e seu cotidiano se mesclam. A personagem, uma cientista do campo da física, captura imagens de pessoas à distância. […]

Por Marcella Rangel

22 de Março de 2019

Se7en (1995) é o segundo filme do diretor David Fincher, no elenco, Brad Pitt, Morgan Freeman, Gwyneth Paltrow e Kevin Spacey na pele de um serial killers dos mais interessantes do cinema. O filme conta a história de David Mills (Pitt) e sua mulher, Tracy (papel de Paltrow), o casal esta de mudança mudaça para […]

Por Revista Moviola

20 de Março de 2019

Nos arredores de Orlando, na Flórida, em hotéis e complexos de quinta categoria – com imitações plastificadas de atrações dos parques tão próximos da Disney – são oferecidas estadias para turistas que querem economizar, como também servem de moradia, não oficial, para famílias americanas de baixa renda. Projeto Flórida (2017) é povoado por estes personagens, […]

Por Revista Moviola

15 de Março de 2019

O filme Encantada (2007) conta a história da princesa Giselle (Amy Adams), que mora no reino de Andalasia. Certo dia, após cair em um poço, ela vai parar na cidade de Nova Iorque. Lá encontra Robert (Patrick Dempsey), um procurador e se hospeda no apartamento dele. Edward (James Marsden), o príncipe de Andalasia, também cai […]

Por Revista Moviola

26 de Fevereiro de 2019

Perigo Por Encomenda (2012), escrito e dirigido por David Koepp, traz ao público a cidade de Nova York como elemento determinante na narrativa e na estética do filme. O longa conta a história de um mensageiro que usa como transporte uma bicicleta (Wilee, interpretado por Joseph Gordon-Levitt) em Manhattan, o personagem precisa entregar, um envelope […]

Anima Mundi Animação animações Brasil Cineclube Cinema cinema americano cinema brasileiro Cinema francês Crítica Crítica Cinematográfica crítico de cinema Curta Curta-metragem Curtas Documentário Entrevista Facha Festival Festival de Berlim Festival de Cannes Festival de Veneza Festival do Rio Festival do Rio 2009 Festival do Rio 2010 Festival do Rio 2011 Festival do Rio 2012 Festival do Rio 2013 festrio ficção filme Gay Literatura London Film Festival Luiz Rosemberg Filho Mix Brasil Mostra Mostra de Tiradentes Odeon Oscar Poemas Resenha Rio de Janeiro Versos É Tudo Verdade

WP Cumulus Flash tag cloud by Roy Tanck and Luke Morton requires Flash Player 9 or better.